-
  • Be My Baby - The Ronettes
  • La madrague - Brigitte Bardot
  • Let’s Twist Again - Chubby Checker
  • Love Me Tender - Elvis Presley
  • Menina Linda – Renato e Seus Bluecaps -
  • Mr. Sandman - The Chordettes
  • Oh! Carol - Neil Sedaka
  • Soul Bossa Nova - Quincy Jones
  • Susie Q - The Jordans
  • Túnel do amor - Celly Campello
  • O Barquinho - Nara Leão
  • Aloha Oe / Blue Hawaii - Orquestra Românticos de Cuba
  • Clarice - Caetano Veloso
  • I Should Have Known Better - The Beatles

Teaser

Sinopse

Beleza, amor, sedução, moda, casamento, maternidade:  cabe de tudo um pouco nos “pequenos textos inofensivos” de Clarice Lispector publicados, sob pseudônimo, em colunas femininas de jornais durante as décadas de 50 e 60 e que são a inspiração para Correio Feminino, série em oito episódios dirigida por Luiz Fernando Carvalho e exibida no programa Fantástico.

Helen Palmer, moderníssima apresentadora que vem do passado para um encontro com a espectadora de hoje, ilumina o caminho de mulheres divididas entre a liberdade e as convenções. Mulheres que cresceram, apareceram e se multiplicaram ao longo das últimas décadas: que estão às voltas com o amor, a família e a vida doméstica, mas também em busca do autoconhecimento, de um lugar na sociedade em transformação.

As conversas íntimas com Helen Palmer (ou Clarice) são, portanto, mais que deliciosa cumplicidade feminina. São também uma reflexão sobre o que permanece na sociedade e na intimidade de uma mulher.

Visão do diretor

Por Luiz Fernando Carvalho (2013)

Projeto

Quando criei este projeto não sabia exatamente que formato teria. Era interessante pensar a partir de uma máscara da Clarice Lispector: Helen Palmer, que é em si mais que um pseudônimo. Na máscara, percebemos a própria Clarice escoando pelas frestas, nas entrelinhas. E esse percurso a atriz Maria Fernanda Cândido percorreu, expondo o trajeto entre Clarice Lispector e Helen Palmer com delicadeza. Não era simplesmente uma voz, uma narração, muito ao contrário, ela encarnou um jogo duplo, de natureza híbrida, que é a Helen Palmer de Clarice.

Narrativa

Me interessou ser também um outro diálogo, uma proximidade, uma cumplicidade com as leitoras, como se fosse quase como um Facebook da época. Entendi que no conjunto de conselhos dos almanaques, Clarice buscava temas que dialogavam com mulheres jovens e de idade mais avançada. A estrutura foi formada por três mulheres: uma pós-adolescente; uma jovem mulher, um pouco atrapalhada, cômica; e uma mulher madura, que poderia estar em um momento de crise existencial.

Direção de Arte

A linguagem do projeto, do ponto de vista estético, é uma homenagem às propagandas e aos ensaios de moda daquele período (anos 1950 e 1960). Nas revistas, encontrava-se página inteira em amarelo com a modelo vestida de vermelho, apoiada em carro azul e branco. Um minimalismo das cores e do não-cenário, muito característico do excelente design da publicidade da época. Na concepção, despojamos ao máximo os elementos cenográficos, centrando a dramaturgia espacial nas cores e nos figurinos para que a voz se tornasse preponderante.

Temas Eternos

Nos almanaques existem algumas passagens e conceitos que talvez tenham envelhecido. Por outro lado, notamos a sensibilidade no olhar, a verve, o despojamento do texto, e, principalmente, a atualidade de certas questões do feminino. Somos convidados a refletir se algo mudou ou não mudou. Tivemos grandes avanços, mas também grandes cristalizações. Os textos escolhidos espelham os pontos que continuam absolutamente iguais no universo feminino. Não por um atraso da sociedade, mas por condições arquetípicas e humanas. Amar e ser amada. Como vencer a crise do relacionamento? Que roupa escolher para ir ao primeiro encontro? Não importa a classe social das mulheres presentes no almanaque, não importa se ela é antenada, se ela fez pós-graduação. São perguntas de 1800, de 1950 e serão em 2300. As questões sobre afeto e relações humanas são eternas. Essa perenidade do texto contida em um simples almanaque. Somos modernos, pós-modernos… Será?

Neste ponto acho moderna a reflexão de Clarice Lispector de “estar vestida com o seu sentimento”. E a escritor completa: “mas se você quer uma ajudinha maior: use uma fita amarela”, como no primeiro episódio da série. A fita amarela é para te deixar mais segura, para ter fé. Fé no amor.

Processo Criativo

Sketchbooks do diretor

Vídeos

Trilha Sonora

A trilha sonora da série Correio Feminino é composta por hits dos anos 1960, período em que Clarice Lispector escreveu a maior parte dos textos que inspiraram o roteiro. A curadoria musical é assinada por Luiz Fernando Carvalho e inclui canções da época como Love Me Tender, de Elvis Presley, Let’s Twist Again, de Chubby Chacker, La Madrague, de Brigitte Bardot, Oh! Carol, de Neil Sedaka, e Be My Baby, gravada em 1963 pelo grupo vocal The Ronettes. Na seleção de canções brasileiras como A Banda, interpretada por Nara Leão, Menina Linda, a versão de Renato e seus Blue Caps para I Should Have Known Better, dos Beatles, e Clarice, de Caetano Veloso. 

DVD

O DVD da minissérie Correio Feminino, baseada na obra de Clarice Lispector e dirigida por Luiz Fernando Carvalho, reúne os oito episódios exibidos como especial no programa Fantástico. A edição apresenta também o documentário inédito Sob Olhar de Clarice, dirigido por Raquel Couto.

Livros

Fortuna Crítica

5, nov — 2013

‘Correio feminino’ faz leitura inspirada de Clarice Lispector

  • Patricia Kogut
  • O Globo

“A série, agradável, de bom gosto, é despretensiosa como essa produção da escritora. Carvalho perfurou um poço e tirou dali petróleo da melhor qualidade. E não caiu na presunção.”

Leia Mais

27, out — 2013

Novo quadro do Fantástico apresenta uma Clarice Lispector pouco conhecida

  • Mauricio Stycer
  • UOL
  • Folha de S.Paulo

“Pouco convencional, o programa tem a marca de Carvalho, um dos diretores mais empenhados em fugir do óbvio e tentar oferecer um olhar original na TV aberta.”

Leia Mais

Imprensa

Principais notícias

9, out — 2013

Com Luiza Brunet, Fantástico lança série muda para narrar dilemas femininos

  • Louise Soares
  • Folha de S.Paulo

“‘Até que ponto as questões do feminino foram resolvidas ou abandonadas?’, disse Luiz Fernando Carvalho no lançamento da série.”

Leia Mais

27, out — 2013

Elas por Ela

  • O Globo

“Eles estão estabelecidos por dogmas, marionetados por sermões. A mulher tem a linguagem do invisível, do corpo, dos afetos, da imaginação, do silêncio, e das entrelinhas. As mulheres buscam uma dúvida, quebram paradigmas. Esse formato de enquadrar tudo num mesmo modelo é masculino”, compara o diretor

Leia Mais

19, out — 2013

Correio Feminino: textos de Clarice Lispector ganham versão em quadro do Fantástico

  • Marie Claire

“Dirigidos por Luiz Fernando Carvalho (Hoje é Dia de Maria e Afinal, o que Querem as Mulheres?), os oito episódios têm como fio condutor a voz da atriz Maria Fernanda Cândido – enquanto ela fala, três mulheres reagem às palavras de Clarice.”

Leia Mais

26, out — 2013

Luiz Fernando Carvalho dirige ‘Correio Feminino’ que vai ao ar no ‘Fantástico’

  • O Dia

Além da direção, Luiz Fernando assina a produção musical, com hits dos anos 1960, que vão de ‘Love Me Tender’, com Elvis Presley, até ‘A Banda’, com Nara Leão. Já as músicas incidentais quem assina é o compositor e pianista André Mehmari, convidado por Luiz.”

Leia Mais

9, out — 2013

Cintia Dicker: a ‘enferrujadinha expressiva’ e sua estreia como atriz

  • Glamurama

Luiz Fernando Carvalho: “Um artista está sempre em nascimento, em movimento. Somos eternos incompletos. “

Leia Mais

26, out — 2013

Clarice Lispector faz bate-papo pop no fantástico

  • Cassiano Elek Machado
  • Folha de S.Paulo

“Não aceito a condenação de alguns, que, para derrubar os almanaques em relação a seus grandes romances, não os enxergam como produção digna da obra de Clarice Lispector”, expressa Luiz Fernando Carvalho, que já adaptou para a TV e cinema obras de autores como Machado de Assis e Raduan Nassar.

Leia Mais

9, out — 2013

Nova série do Fantástico reúne Maria Fernanda Cândido e Luiza Brunet

  • Sabrina Grimberg
  • UOL

Segundo Luiz Fernando Carvalho, que sempre imprime características muito fortes em seus trabalhos, como “Hoje É Dia de Maria” e “Capitu”, um dos desejos era que o elenco tivesse coragem para se reinventar. “Inventamos um programa no momento de fazer. Tivemos coragem de pertencer ao desconhecido, sem saber para onde estávamos indo. Referências iam desaparecendo e ficando só o sentimento.”

Leia Mais

3, jul — 2013

Luiza Brunet volta a atuar na televisão

  • O Dia

Luiza Brunet: “Quando o Luiz Fernando Carvalho me ligou, fiquei vibrando. Achei um luxo! E pulei o fim de semana inteiro até chegar a segunda-feira. Eu já tinha feito novelas, mas não gostava do que via. O Luiz Fernando é um maestro. Ele consegue fazer você rir, chorar e se descabelar. Fiquei encantada e amei o resultado”.

Leia Mais

24, out — 2013

Clarice Lispector dá dicas no fantástico

  • Cristina Padiglione
  • O Estado de S.Paulo

“Estreia neste domingo série baseada em textos de Helen Palmer”

Leia Mais

20, out — 2013

Três gerações ouvem conselhos de Helen Palmer em nova série

  • G1

“Como seduzir um homem, cuidar da casa, manter a beleza, o casamento? Vamos mergulhar no universo feminino, sob o olhar de uma das maiores escritoras deste país, Clarice Lispector.”

Leia Mais

1, out — 2013

Clarice Lispector + Luiz Fernando Carvalho

  • Laura Artigas
  • Moda Pra Ler

“Os trabalhos de Luiz Fernando Carvalho são extremamente autorais e por isso participa intensamente de todas as etapas. Quando o ponto de partida é uma obra literária, busca máxima fidelidade à narrativa do autor.”

Leia Mais

25, out — 2013

Maria Fernanda Cândido usa suas facetas para narrar contos de Clarice Lispector

  • O Dia

“O primeiro contato de Maria Fernanda Cândido com Clarice Lispector foi aos 18 anos, no clássico A Hora da Estrela. ‘Nasceu aí uma grande paixão’, lembra.”

Leia Mais

16, out — 2013

‘Quero um novo ciclo na TV’, diz Luiz Fernando Carvalho

  • Rodrigo Fonseca
  • O Globo

Luiz Fernando Carvalho: “Houve um convite para que eu propusesse algo para o programa, e essa proposição me agradou pois significava ter que pensar algo para um público eclético, das classes A a C, mas predominantemente feminino, de senhoras a jovens. Daí veio a ideia de resgatar o olhar feminino da Helen Palmer, um dos heterônimos de Clarice, e propor um diálogo com a estética de publicidade de moda dos anos 1960.”

Leia Mais

Estudos acadêmicos

Ruptura, continuidade, contradição e intertextualidade: O Correio Feminino, de Clarice Lispector, no Fantástico

  • Lívia de Pádua Nóbrega
  • Faculdade Araguaia
Leia mais

Correio Feminino e o Fantástico: quando uma adaptação não se adapta a um programa generalista

  • Tobias Queiroz Isaiana Carla Pereira dos Santos
  • UERN
Leia mais

Créditos

Correio Feminino Com Maria Fernanda Cândido, Luiza Brunet, Alessandra Maestrini e Cintia Dicker.  Baseada nas obras Só Para Mulheres e Correio Feminino, de Clarice Lispector. Roteiro Maria Camargo. Colaboração e Pesquisa de Texto Carla Madeira Cenografia Keller Veiga Figurino Luciana Buarque e Thanara Schönardie Produção de Arte Marco Cortez Produção de Elenco Marcia Andrade Pesquisa Musical Luiz Fernando Carvalho Caracterização Rubens Libório e Bárbara Santos Edição Marcio Hashimoto Design Carlo Bêla Direção de Fotografia Warley Miquéias Produção Executiva Direção Maristela Velloso Assistente de Direção Antonio Karnewale Pesquisa Musical e Direção Geral Luiz Fernando Carvalho