Sinopse

Uma Mulher Vestida de Sol foi exibido com especial da Terça-Nobre,e propõe uma encenação de um drama humano para falar da grande tragédia coletiva do sertão, da luta do homem com a terra queimada de sol. Uma das inspirações de Ariano Suassuna para a peça foi o capítulo 12 do Livro do Apocalipse: “Viu-se um grande sinal no céu, uma mulher vestida de sol e a lua estava sob seus pés e uma coroa de 12 estrelas sobre sua cabeça”.

O telefilme conta  a história do amor impossível entre dois primos, Rosa e Francisco, que deveriam ser inimigos, mas se apaixonam perdidamente. Ela é filha do fazendeiro Joaquim Maranhão, maior inimigo de Antônio Rodrigues, pai de Francisco. Nessa espécie de Romeu e Julieta do sertão, os dois amantes enfrentam tudo para viver esse grande amor, em meio a um cenário de lutas por terras no Nordeste brasileiro.

Visão do diretor

Por Luiz Fernando Carvalho (1994)

Um homem vestido de sol

Estávamos sentados frente à frente. Já haviam se passado algumas horas de conversa sobre as personagens, a adaptação, até que as minhas perguntas foram nos levando, cada qual pela sua estrada, ao tempo de nossas infâncias. Ariano se virou para mim e com a sensibilidade de sempre me perguntou: “Quantas imagens você tem de sua mãe?”. Eu imediatamente respondi: “Uma!”. E passei a descrever a luz, o cenário, onde estava a câmera, onde estava ela. Ariano se virou para mim e disse: “Então sou mais feliz que você, meu amigo, eu tenho cinco do meu pai.” Algo inexplicável foi selado ali, naquele silêncio que veio a seguir, como uma comunhão.

De uns anos para cá, meu interesse pela cultura brasileira, sem que eu premeditasse, serviu de apoio e estímulo para dar início a esta viagem desenfreada ao encontro do passado de minha mãe, seu rosto nordestino. As histórias daquele tempo me chegavam como fábulas embaçadas e incompletas. Fui juntando-as, uma a uma, procurando tornar aquilo real. Por outro lado eu não encontrava no meu trabalho um universo correspondente, algo que me levasse a transformar aquelas imagens em canal para minha expressão.

Felizmente, há alguns anos, fui presenteado por Sebastião Vasconcelos com A Farsa da Boa Preguiça, de Ariano. O impacto foi imediato, já de saída encontrei ali a mistura de elementos populares místicos que procurava. Foi como se todo o meu sangue respirasse e acompanhasse a leitura. Corri para ler tudo de Ariano, ouvir as músicas do Quinteto Armorial e tudo o que cerca seu rico universo. Ariano passou a influenciar todos os meus trabalhos que envolviam brasilidade (Os Homens querem paz, Auto da Nossa Senhora da Luz e Renascer)

Estou muito feliz por ter conhecido um Mestre, um mestre-poeta. Um mestre da alma deste povo tão sofrido, um mestre com coração de Dom Quixote e olhos de Antonio Conselheiro.

Fortuna Crítica

14, jul — 1994

Mulher Vestida de Sol desafia o padrão de realismo da Globo

  • Hélio Guimarães
  • Folha de S.Paulo

Estão aí os impasses colocados: se o teleteatro ainda é possível na Globo e se Luiz Fernando Carvalho não é grande demais para a tela da emissora. Tomara que não.”

 

Leia Mais

Imprensa

Principais notícias

29, mai — 1995

Ariano Suassuna, um cavaleiro em defesa da arte popular brasileira

  • José Castello
  • O Estado de S.Paulo

Ariano Suassuna: “O primeiro homem na TV a me compreender foi Luiz Fernando Carvalho. Fiquei bastante satisfeito (com o especial Uma Mulher Vestida de Sol) porque o Luiz Fernando incorporou todas as minhas sugestões e nunca deixou de me ouvir.”

24, jun — 1994

O sol em alta costura

  • Patricia Andrade

Ariano Suassuna: “Eu estou muito curioso, muito ansioso. Eu nunca vi esta peça encenada, você acredita?. E agora vou ver, dirigida por uma pessoa na qual eu confio muito, que é o Luiz Fernando Carvalho.”

9, mar — 1994

Ariano Suassuna prepara estréia na TV

  • Marcelo Migliaccio
  • Folha de S.Paulo

“O diretor Luiz Fernando Carvalho conseguiu com “Renascer” mais do que renovar a estética da telenovela. Com seu trabalho, ele conquistou a admiração do acadêmico e escritor Ariano Suassuna, 66, que vai ter sua primeira peça, “Uma Mulher Vestida de Sol”, adaptada para a televisão.”

Leia Mais

10, mar — 1994

Ariano à luz da globo

  • João Luiz Vieira
  • Jornal do Commercio

“O principal responsável pela saída do escritor pernambucano do ostracismo voluntário ao qual estava recolhido foi o diretor Luiz Fernando Carvalho, de 33 anos.”

3, jul — 1994

Uma mulher veste de sol a Terça-Nobre

  • Selênio Homem
  • Diário de Pernambuco

“Uma Mulher Vestida de Sol é a primeira criação literária de Suassuna a ser adaptada para a televisão. Quando todas as mudanças foram enfim definidas entre ele e o diretor, ambos mergulharam de cabeça no trabalho.”

12, jun — 1994

Suassuna chega finalmente à TV

  • Angelo Rossi
  • O Estado de S.Paulo

“É a produção da Globo em que mais se ensaia e discute antes das gravações. Esta semana completa-se um mês de ensaios, algo normalmente impensável para o ritmo industrial televisivo.”

12, jul — 1994

Drama humano na tragédia coletiva do sertão

  • O Popular

“Não há dúvida de que Luiz Fernando conseguiu reunir um time bastante sintonizado com a cabeça, o universo, a obra e a sensibilidade do autor.”

18, jun — 1994

Especial adapta Ariano Suassuna

  • Marcia Penna Firme
  • Jornal do Brasil

“Suassuna não demonstra qualquer receio com a mudança de linguagem para a TV, pelo contrário, está bastante entusiasmado com a experiência.”

13, mar — 1994

Um imortal na telinha

  • Ivana Moura
  • Diário de Pernambuco

“Desde ontem o diretor Luiz Fernando Carvalho faz entrevistas com atores pernambucanos. Sua lista consta de uns 40 candidatos. Conhecido pelo cuidado com os detalhes, ele prefere não adiantar nomes.”

Créditos

Uma Mulher Vestida de Sol, da obra de Ariano Suassuna. Com Teresa Seiblitz, Raul Cortez, Floriano peixoto, Sebastião Vasconcelos, Miriam Pires, Ana Lucia Torre, Nanego Lira, Soya Lira, Ilya São Paulo, Bertrand Duarte, Lamartine Ferreira, Orlando Vieira, Linneu Dias.Figurino Luciana Buarque. Preparação Corporal Maura Baiocchi. Caracterização Guilherme Pereira. Trilha Sonora Antônio Madureira. Cenografia Lia Renha e Fernando Veloso (Grupo Corpo). Artes Plásticas Luiz Rossi e Julio Sekigutti. Produção de  Arte Isabela Sá. Produção Flávio Nascimento. Direção de Fotografia Dib Luft. Câmera Ricardo Fuentes. Adaptação Ariano Suassuna, Íris Gomes da Costa e Luiz Fernando Carvalho. Edição Luiz Fernando Carvalho e Raquel Couto. Assistente de Direção Raquel Couto Direção e concepção Luiz Fernando Carvalho.